Mansinhos

Eu até acho que o Miguel Guedes é o melhor comentador portista de todos os programas do género e que o Trio d’Ataque é um programa que se distingue dos demais por uma certa elevação e qualidade argumentativa de quem compõe o painel, mas o que lhe ouvi no programa de hoje ultrapassa o limite daquele desportivismo que se quer sempre saudável.

Hoje o Miguel Guedes escolheu o jogador dos coisinhos, André Horta, para o seu “Topo” (lembro que o “topo” e o “fundo” são espaços para os quais os comentadores escolhem aquilo que é de elogiar e de criticar, respetivamente) porque foi apoiar a equipa de futsal e, no fim, esteve a  festejar a vitória na supertaça. E o Miguel gosta muito deste tipo de atletas, que sentem muito o clube.

Eh pá, Miguel, tudo bem que gostes deste tipo de jogador que sente o clube, que se envolve nas outras modalidades, que é um exemplo de paixão e não sei o quê, mas nunca esperaria ver o comentador portista a elogiar um jogador do inimigo, ainda para mais, num contexto de vitória num troféu nacional. Achas que algum Rui Gomes da Silva ou Pedro Guerra traria para o seu tempo de antena o destaque a um Gilberto Duarte a festejar um título de basquetebol ou o Reinaldo Ventura a festejar um título de andebol como já vimos no passado no nosso clube? Mas agora prestamos-lhes vassalagem? O que se vai seguir? Um topo com Luís Filipe Vieira por ter ganho as eleições com lista única a concorrer?

Anúncios