Desligados da Europa

O texto de há uma semana, na sequência do jogo na Alemanha, podia servir para hoje. O Dortmund veio cá fazer um bom treino, levou uma vitória e afundou, ainda mais, uma ideia – que já existiu – de Porto europeu.
Peseiro pode enviar as mensagens que quiser para o balneário, pode falar em crença na passagem, pode elogiar a “tremenda reação” da equipa após o golo (já agora, eu, se lá estivesse, também teria uma tremenda reação, correria que nem um louco, sairia ao fim de 15 minutos para o hospital, mas garanto que seria uma “tremenda reação”), pode invocar um golo em fora-de-jogo, mas não nos pode tirar a ideia da cabeça de que poupou jogadores para o campeonato e abdicou completamente da Liga Europa. Tal como Jesus. A diferença é que o treinador do Sporting di-lo à vontade, protegido pelo bicampeonato que conquistou com os coisinhos e pela liderança atual na Liga. Peseiro não o pode dizer. Mas, digamos que o onze escolhido para iniciar o jogo o denunciou: entrar com extremos como Varela e Marega diz quase tudo. Depois, começar a segunda parte sem qualquer alteração, com a equipa a perder, também não ajuda à “crença” de que queríamos mesmo virar a eliminatória.
PS – O tom divertido e bem disposto com que os jornalistas e o comentador da SIC nos brindaram ao longo da transmissão, dando a derrota como facto adquirido aos 72 minutos ou fazendo comentários jocosos sobre os nossos jogadores (Maxi e Brahimi, por exemplo) é um sinal bem claro do respeito que já nos perderam.
Anúncios

Saudades do Porto europeu

Esta foi uma das piores exibições na Europa de que me lembro e o mais dramático disto tudo é que começa a ser recorrente. Nunca pertencemos, no passado, à elite europeia, onde figuram os Barcelonas, os Bayerns ou os Uniteds, mas sempre fomos vistos como aquela equipa portuguesa muito perigosa, aquele outsider com quem é preciso ter muito cuidado e com quem não se pode dar baldas. Agora olham para nós como um oportunidade para treinar. Eu sei que esta frase pode ser chocante, mas foi a sensação com que fiquei hoje, ao ver o Dortmund a ganhar nas calmas, sem acelerar muito, consciente de que os golos surgiriam com naturalidade. Até porque no próximo fim de semana vão jogar com o Bayer Leverkusen. Eu não estou a dizer que nos falta atitude ou suor. Mas é doloroso ver que num 11 do meu clube, contra o segundo classificado da Bundesliga, estão agora jogadores como Varela, Sérgio Oliveira ou Marega. Peseiro podia ter feito melhor? Se calhar, sim. Todos temos uma costela de treinador. A mim custa-me ver André André começar no banco. Custa-me a ver Suk entrar a 5 minutos do fim. Mas o treinador apanha este comboio em andamento e tem de jogar com as peças que lhe colocam à disposição. Quem tem toda a responsabilidade na construção deste plantel é quem manda. E quem manda não está a trabalhar bem.
É impossível virar um 0-2 em casa? Não, mas, convenhamos, face ao que se viu hoje, só muito dificilmente os alemães não marcam no Dragão.

Olhó bloqueio fresquinho!

Ora sai mais um bloqueio fresquinho. Nacional-Sporting. 3 minutos, canto para os de Alvalade. Mas há um jogador do Sporting de costas para a bola. Sim, de costas para a bola, como se não estivesse interessado no pontapé de canto. É o Bryan Ruiz. Deve estar a galar uma madeirense jeitosa na bancada. Ou então prepara-se para impedir que alguém acompanhe o Slimani, que já foge ao encontro da bola. Golo. 0-1, Sporting. Começa bem, assim.

E o inferno gelou

“Se o empate era injusto, a derrota foi muito mais.”
Rui Vitória não percebeu que num jogo de futebol há 22 jogadores, vinte pelo campo fora e dois guarda-redes. Não percebe que o seu clube não jogou sozinho e que, do outro lado, houve outra grande equipa, com um grande guarda-redes que está lá para evitar golos. Foi o que ele fez. Do outro lado esteve outro guarda-redes que não evitou dois golos. Simples! Por isso esta a vitória é justíssima. Porque eu não me esqueço do que disseram quando os coisinhos do tempo de Jorge Jesus vieram ao Dragão ganhar, com golos de lançamento lateral ou às três tabelas. Falou-se em vitória da abnegação, da ratice e do realismo. Jesus foi levado em ombros. Hoje, perante uma vitória sem espinhas do FC Porto, a azia fala mais alto: foi a infelicidade da equipa que falhou muitos golos, foi a nossa sorte de ver os outros falhar golos em catadupa. Parece que isto é novo, mas não é. Já tem barbas. Mas é preciso pisar e repisar.
A nossa vitória assentou em três pilares: Casillas, Danilo e Herrera. Depois, dois laterais – Maxi e Layun – sempre em alta rotação e a olhar o adversário nos olhos com aquela atitude à Porto de que já tínhamos muitas saudades. Houve erros de posicionamento na defesa, houve excessos individuais que expuseram a equipa ao perigo. Mas no momento certo, fizemos o que nos competia. Rui Vitória pode tentar desviar as atenções com os pontos recuperados no passado recente (cada um se agarra aos argumentos que mais lhe convêm), mas é incapaz de dizer que Talisca e Salvio, por exemplo, nada trouxeram à equipa.
Uma última palavra para José Peseiro. Não morremos para este campeonato hoje graças a ele e à forma como comandou a equipa. Para além disso, arriscou num miúdo que nunca tinha jogado, e logo na Luz, e ganhou a aposta. São estes pormenores que ficam na história.