Abençoada ditadura

E o que eu mais temia aconteceu neste fim-de-semana. O Sporting suplantar o Benfica em baixeza, pequenez intelectual, motivo de gargalhada. Andei anos enganado, pensando que tal não era possível, mas os acontecimentos rocambolescos dos últimos dias, que começaram na hilariante comunicação de Futre a acabaram naquela espécie de noite das facas longas, em que a claque sportinguista ia exterminando todo o jornalista (sócios com direito a mais do que um voto também serviam) que se atravessasse no seu caminho – esses acontecimentos -, mostraram afinal que há no Sporting actual um potencial autofágico que vale a pena acompanhar. E tudo com um toque de humor à mistura. Quanto mais olho para estas democracias no futebol, mais prezo a nossa bela ditadura azul-e-branca.

Sporting Clube… e Portugal

Os astros alinharam-se e fizeram deste dia o dia Sporting. Minuto de silêncio por Artur Agostinho, referência do jornalismo, adepto do Sporting. Golo de Varela, ex-jogador do Sporting, onde fez a formação. Empate de Matias Fernandez, jogador do Sporting, num lance em que Rui Patrício, guarda-redes do Sporting, ficou mal da fotografia. No banco, Paulo Bento, cujo último clube que treinou foi o Sporting, assistiu a uma segunda parte muito pobre, ao nível do… Sporting desta época.
Entretanto, há uns minutos vi na TV uma aparição de Futre dizendo que, “se forem a Espanha e perguntarem pelo “El Portugués”, esse sou eu… não é o Mourinho, com muito respeito que tenho por ele, nem o Cristiano Ronaldo, sou eu“. Então está bem, Futre!

São pedras, senhor, são pedras

Antes de mais quero dizer que a emboscada, o ataque, a esperinha, a cilada, a investida bárbara de que foi alvo o autocarro do segundo-classificado-a-13 pontos foi um acto cobarde e é preciso identificar e levar à justiça os perpetradores desse acto condenável. Desde já estão ilibados os adeptos do FC Porto uma vez que não há notícias de bolas de golfe envolvidas do ataque. Pedras não é o nosso modus operandi. Há quem assegure que os responsáveis são os próprios adeptos do Benfica, furiosos com o maneira como Jorge Jesus geriu o campeonato, de modo a assistir, em pleno Estádio da Luz, à consagração do novo campeão. Também não acho. Não estou a ver os benfiquistas a recorrer ao calhau. Eles é mais artefactos piroténicos e bastões.
A coisa aconteceu, pelo que já li, no único viaduto que não estava controlado pela GNR, o que levanta desde já a suspeita sobre o envolvimento de André Villas-Boas no caso (isto se ele tiver um primo que é GNR em Paços de Ferreira), avisando os malfeitores de que aquele biaduto estava libre.
As primeiras notícias deram conta de ferimentos de Luis Filipe Vieira numa mão, provocados pelos estilhaços, tendo sido assistido prontamente pela equipa médica do clube. É sempre bom ter médicos à mão quando nos acontece alguma coisa. Rui Gomes da Silva não teve tanta sorte naquele ataque que o desfigurou por completo (ou ele é mesmo assim?).
Voltando a LFV, as imagens dos danos no carro não mostram quaisquer estilhaços, uma vez que o vidro, apesar de danificado, não se partiu em bocadinhos. A confusão foi ainda maior quando se noticiou que o alvo era o autocarro do Benfica, mas depois já era o presidente do clube, mas depois já as pedras tinham batido no tejadilho do autocarro e resvalado para o carro onde ia o presidente. É bem feito. Se não tivesse transgredido o código da estrada, teria guardado a distância de segurança para o veículo da frente e passaria por cima das pedras. Que não se repita para a próxima.

Há coisas inexplicáveis

A notícia é de 15 de Março, portanto, ainda antes da passagem do FC Porto aos 4ºs de final da Liga Europa. Os profissionais da CNN (secção de desporto), esse canal televisivo quase amador e profundamente desligado da realidade, escolheram as dez melhores equipas mundiais de futebol do momento e, pasme-se, colocaram o nosso clube no quarto lugar, apenas atrás dos dois gigantes de Espanha e do Manchester United. O mundo deve estar louco. Então não sabem eles que há um clube em Portugal que pratica o melhor futebol do universo? Que, mesmo no ano passado, eram eles e o Barcelona e o resto era paisagem? Não se percebe. Espera-se, a todo o momento, uma comunicação de João Gabriel questionando “É preciso saber… er… quem… quem avisou os jornalistas da CNN… hmm? quem os avisou de que há um clube com mais 13 pontos do que nós no campeonato, com apenas 2 empates, com o melhor ataque, a melhor defesa e o melhor marcador… E quem os avisou que esse clube ia apurar-se – porque na terça-feira ainda não poderiam saber – para os quartos da Liga Europa… É melhor ficar-me por aqui, ok?”

Venha o seguinte

Os russos ficaram fora da eliminatória logo ao primeiro minuto e o Porto teve a oportunidade de fazer o que faz melhor: posse de bola e passe curto. O jogo ficou tão mole que o nosso segundo golo não abalou ninguém. Os russos são uma equipa com jogadores talentosos no meio-campo e na frente, mas muito macios nas marcações. E foi nesta troca de gentilezas que surgiu o golo do CSKA que, por ter surgido ainda na primeira parte, poderia ter relançado a eliminatória. Não aconteceu e quem esteve mais perto de voltar a marcar foi o Porto.

Curioso foi ver como o Braga susteve um Liverpool sem chama, sem talento e sem sorte. Ainda que com Gerard e Luiz Suarez de fora, sobrava gente de qualidade como o “nosso” Meireles, o Kuyt, o Maxi Rodriguez, o Joe Cole e a sua grande aquisição de Inverno, o gigante Andy “Pinheiro” Carroll. Claro que no banco estava uma nódoa de avançado (N’Gog), o Poulsen, o Kyrgiakos e uns ilustres desconhecidos, mas o Liverpool é o Liverpool, nunca pode ser subestimado. Estamos a falar da mesma equipa que no dia 6 deste mês venceu o Manchester por 3-1! Em suma, parabéns ao Braga.

Os “coisinhos”, que têm tido a sorte de apanhar só equipas de terceira categoria, ainda sofreram, mas aquele PSG não assusta ninguém, o que se compreende se pensarmos que entre os seus jogadores mais cotados estão um Claude Makelele com 38 anos e um Ludovic Giuly com 34, que o GR é é um cepo e que o resto da equipa é simplesmente mediocre.

O que sobra, para lá dos 3 clubes portugueses:Dinamo de Kiev, Twente, Spartak de Moscovo, Villareal e PSV. Espero estar enganado, ,mas se as coisas se passarem como nos sorteios precedentes, o SLB vai ficar com o adversário mais débil (Twente?!) e o Porto com o mais problemático (claramente, o Villareal). Mas quem quer vencer não pode temer ninguém, pelo que neste momento o único que gostaria mesmo de evitar era o Braga. Aquele que eu mais desejaria é fácil de adivinhar (uma pista: não é o Twente)…

Do fundo do coração, o que eu desejo ao SLB…

Este comentário é bom demais para ficar “na sombra” de um post – é uma espécie de versão hardcore daquilo que havia redigido a este propósito, mas acho que merece o destaque. Com os meus agradecimentos ao Ribeiro , aqui vai:

Dentro da hipocrisia que caracteriza o nosso “realijador” preferido, este afirmou ontem que gostaria que “pachachem” as “tre’jequipas” para a fase seguinte da Liga Europa. Gostaria no entanto de imaginar um possível cenário em que o SLB fica pelo caminho e Braga e FCP avançam para a fase seguinte. Será que nessa situação ele iria desejar boa sorte ao Braga (de quem os benfiquistas, nesta altura, gostam muito, como se sabe) e ao FCP (de que os benfiquistas gostam ainda mais, como também se sabe)? Chegaria a “hipocrijia” a “eche” ponto? Pode um adepto que passa o ano todo a falar em “apitos” e “apitas”, em “corrupchão” e “justicha dechportiba”, de repente mudar o chip e desejar que essa mesma equipa saia vitoriosa? Mmmm…. Eu da minha parte como tento não ser hipócrita, desejo ao sLOLB o mesmo que “Vaiconchelos” deseja ao meu FCP: quero que se foda bem em Paris. De preferência com muitos golos…

Por Ribeiro DeepBlue em Competentes e predestinados para vencer às 14:05