Osvaldo

Parece que Osvaldo é o nome do ponta de lança que nos preparamos para contratar. Pelo menos há unanimidade na imprensa desportiva diária. Aos 29 anos, Osvaldo tem aqui uma oportunidade de ouro: depois de uma carreira de saltimbanco, em que nunca se fixou por mais de dois anos num clube (só em Itália foram sete!), pode agora jogar num clube de Liga dos Campeões e com perspetivas de titularidade ou, pelo menos, de lutar por ela com otimismo.
Mas este italo-argentino chega ao maior clube português com alguns rabos-de-palha a manchar a sua carreira. Em 2011 pregou um soco ao colega de equipa Lamela (sim, esse de quem se fala também para o nosso clube) e em 2014 deu uma cabeçada ao português José Fonte, também ele colega de equipa no Southampton. Em 2013 já tinha insultado o treinador, enquanto jogador da Roma, quer em campo quer no Tweeter, depois de aquele apenas lhe ter dado 15 minutos de jogo numa partida contra a Lazio.
Ora bem, parece que temos aqui um perfil de jogador especial, para ser simpático. E lembro-me de um Presidente que tivemos, nos anos 80, acho eu, que dizia que o aspeto futebolístico era apenas uma das vertentes que motivavam a contratação de um jogador por parte do FC Porto. Ou seja, o clube não só procurava bons executantes como também bons exemplos do ponto de vista humano. Não sei se se lembram desse Presidente. Parece que as coisas mudaram e a atual direção parece ter como alvo um jogador desta idade e com este perfil. Eu espero que Osvaldo seja muito feliz connosco e marque muitos golos e, a dar um soco a alguém, que o faça ao Luisão, por exemplo.

Pré-época: experimentar e observar

Descontando o facto de que ver o FC Porto perder é sempre uma tragédia, a derrota de ontem não me deixou assim tão apreensivo como à primeira vista seria de esperar.
Levamos apenas duas semanas de trabalho e os índices físicos em alguns jogadores (Tello e José Angel são casos evidentes) ainda estão muito longe do desejável. Ontem, o Borussia esteve fisicamente muito melhor que nós e isso foi visível na primeira parte, quando praticamente só por duas vezes chegámos com perigo à grande área adversária.
Mas a questão não foi apenas física. A fase é de experiências e de observações, o que quer dizer que, muito provavelmente, só vamos apresentar um onze próximo do titular no jogo de apresentação. Não acredito que o meio-campo da primeira parte se repita, com um Evandro, por exemplo, completamente desaparecido, junto a uma das linhas. Lopetegui estará a ver como encaixar alguns daqueles miúdos no onze, tendo em conta que, quando estiver bem, Imbula é titular… e Herrera (ainda) não saiu. Para além disso, ainda há contratações e dispensas a fazer.
É absolutamente inútil estar já a criticar A, B ou C, numa fase destas e devemos resistir à tentação de cair em comentários sentenciosos do género, “este não serve” ou “mais do mesmo”. Já li por aí gente a considerar o Bueno um craque no jogo com o Duisburgo, e ontem a compararem-no já ao Adrian Lopez. Calma, nem 8 nem 80.

Defender à direita

No dia em que faz dezoito anos que João Pinto pendurou as botas, surge a notícia que o FC Porto terá feito uma oferta a Bruno Peres, lateral-direito brasileiro do Torino. Houve quem se apressasse a questionar a relevância disto uma vez que há Maxi e há Ricardo Pereira, mas eu gostaria de lembrar que, na realidade, Ricardo é uma adaptação e o uruguaio – ele, também, uma invenção de Jorge Jesus – é o único lateral-direito que temos. E com 31 anos, convém não esquecer. Por isso, não me causa assim tanto espanto esta notícia. Numa perspetiva mais radical, mas nem por isso menos divertida, isto poderia signifcar a dispensa de Maxi Pereira, após um período à experiência nesta pré-época. Havia de ser giro.

Primeiros passos

Sobre o segundo jogo de pré-época, em que todos os jogadores tiveram oportunidade de jogar, não há muitas conclusões a tirar. Apenas o satisfazer da curiosidade em ver como se portam os novos.
Casillas não sofreu golos e assustou um avançado que lhe apareceu à frente. Que tenha sempre este efeito sobre os adversários. Maxi Pereira, que, como todos sabem, é o melhor lateral-direito do mundo, esteve bem e até fez um corte que o árbitro entendeu, erradamente, ser falta.
O meio-campo foi todo novo. Gostei de alguns pormenores de Imbula e de Bueno. Aquele, uma força da natureza, este, um jogador de fino recorte técnico (obrigado, Gabriel Alves), mas, à primeira impressão, algo macio na abordagem dos lances. O francês teve lá uma arrancada que deixou meia equipa alemã para trás e deu a ideia que quando estiver a 100% fisicamente vai dominar o meio-campo de ataque. Mas quem me encheu as medidas foi Danilo Pereira, muito bem nas recuperações e a sair com a bola. Na segunda parte, André André e Sérgio Oliveira mostraram, se alguém ainda tivesse dúvidas, que têm lugar no plantel. Uma nota para os que já estavam: Brahimi partiu aquilo tudo, Tello mostrou-se longe do jogo e Adrian Lopez não é deste filme.

A mãe de Maxi Pereira já falou

Pobo do Norte, através do seu enviado especial ao Uruguay, ouviu a mãe de Maxi Pereira que se referiu assim à transferência para o FC Porto:

“Estou muito feliz. É um grande dia para todos nós, na família, e acredito, também, para todo o Uruguay. Depois de tanto tempo fora do país, tínhamos a esperança de ver o Maxi representar um grande da Europa. Finalmente, graças a Deus, isso aconteceu hoje. Só espero que o clube anterior dele faça um jogo de despedida com o FC Porto para agradecer ao meu filho tudo o que fez por ele. O Maxi merece.”

Lembramos que estas são declarações exclusivas a este blogue. Pobo do Norte, sempre na vanguarda da informação.

A redenção de Varela e um negócio da China

Silvestre era um rapaz dotado mas com tendência para se atrapalhar com a bola. Na equipa de AVB brilhou porque Falcão concluía bem quase todos os cruzamentos, porque Moutinho enchia o campo e porque James fazia uns números de circo que terminavam assiduamente em golos. Mesmo sob a batuta desse génio da tática chamado Paulo Fonseca, Varela passou por virtuoso, já que a alternativa se chamava Licá… Veio o treinador nuestro hermano e o Silvestre foi dar uma volta pela Europa – no WBA jogou pouco e, infelizmente, o Parma faliu – pois bem, o homem está de volta.

Confesso que sempre tive uma inexplicável simpatia pelo Drogba da Caparica, a quem contudo me pareceu sempre faltar nervo e aquele bocadinho de talento que transforma um jogador acima da média num atleta de primeira linha para um clube como o Porto. Mas a verdade é que já deu contributos importantes e que, bem vistas as coisas, o prefiro à crescente inconstância arrogante do Mustang, como suplente, bem entendido. Espero que fique – a renovação do contrato só pode querer dizer que Lopetegui conta com ele. No mínimo, evita que o basco se lembre de colocar o arrastão do Adrian Lopez a jogar na ala…

Entretanto, o Josué vai continuar na Turquia e parece que o Porto despachou definitivamente para o pais dos olhos em bico esse erro de casting chamado Kleber – boa ideia! Este senhor nunca confirmou nada do que prometeu no Marítimo, não evoluiu nadinha nas duas épocas em que esteve emprestado e já temos assalariados que cheguem a jogar por clubes terceiros.

Quem vai ter a oportunidade de “evoluir” (?!) será o lengrinhas mexicano que compramos a peso de ouro. Supostamente, Diego Reyes interessa à Real Sociedad e talvez aí encontre forma de provar que não foi um equívoco dispendioso. Por aqui, em duas épocas miseráveis, jogou pouco e jogou mal, ficando na retina aquela “exibição” frente ao Bayern, embora a culpa de tal desgraça seja de quem achou que um central inexperiente seria útil a defesa direito num jogo com aquelas características.

Mas nem tudo são boas notícias: ainda nenhum clube quis o Adrian Lopez, o Quintero continua gordinho e por cá, ninguém sabe quem sucederá na lateral direita ao Danilo ou o que fazer com tantos guarda redes, o Alex Sandro não renova nem sai, o Gonçalo Paciência vai ser emprestado e eu não acredito que o Aboubakar seja o ponta de lança que o Porto precisa. E a este hipotético meio-campo (Imbula-Herrera-Bueno) parece faltar tanta coisa… Para mim, falta um gajo como o Sérgio Oliveira a “8” ou até um André André. Mas esses são tugas e, que eu saiba, não falam portunhol… azar deles e nosso.

P.S. – A melhor notícia ficou de fora: ainda não está confirmada a vinda do Cantiflas uruguaio para o nosso clube. Pode ser que seja apenas paleio de pré-temporada. Entre ver este gajo no lugar do Danilo e a hipótese de sermos futuramente treinados pelo mister da chicla habitam os meus piores receios como portista.

Símbolos

A mãe do Casillas acha que ele fez uma má opção em vir para o FCP; alegadamente, entende que o Porto é uma equipa de “segunda B”. A imprensa tuga rejubilou: os gajos do Norte arranjaram um GR Campeão do Mundo, 2 vezes Campeão da Europa, 3 vezes vencedor da Champions, campeão de Espanha 5 vezes, etc., etc., mas a mamã dele acha Portugal e o clube mais importante neste país desde o 25 de abril um destino miserável.

Afinal, ninguém disse isso do Júlio César, nem do Peter Schmeichel nem do Michel Preud’homme. Pois não: o Júlio César estava desterrado em Toronto (depois de ter sido dispensado/emprestado por esse colosso chamado Queens Park Rangers), o Schmeichel quis assumidamente “um futebol com um ritmo menos intenso” aos 36 anos (tradução: uma reforma ativa mas calminha ao sol do sul da Europa) e o Preud’homme tinha uma carreira clubística muito ilustre, repartida entre duas gigantescas instituições do pontapé na bola: o Standard de Liège e o KV Mechelen…

E resultados? Ainda não sabemos qual será o contributo do Iker Casillas (que eu calculo será determinante, ainda que contratar um guarda-redes consagrado não fosse, pelo menos para mim, uma prioridade para o Porto 2015/2016), mas sabemos o que “deram” ao Sporting e ao Benfica outros guarda-redes consagrados:

  • o belga que jogou no SLB não ganhou quase nada  – ficou-se por uma Taça de Portugal, o que, convenhamos, é curto para quem atuou em mais de 200 jogos nas 5 épocas que cá esteve;
  • o dinamarquês foi campeão no ano em que chegou ao SCP e terceiro classificado (a 15 pontos do campeão Boavista) no ano seguinte, na época (de boa memória…) em que os coisinhos conseguiram um brilhante sexto lugar;
  • o brasileiro deu um contributo positivo, uma vez que foi um upgrade significativo a um Artur Moraes em quem nunca os vermelhos confiaram efetivamente, apesar de por lá ter passado 4 épocas, quase sempre, como primeira opção.
Curiosamente, ninguém que perceba o mínimo de futebol poderá dizer que o SCP de Schmeichel foi campeão por causa das atuações do ex-guarda-redes do Man United ou que o mais recente título do SLB se fique em grande parte a dever à performance do brasileiro que venceu a Liga dos Campeões com o Inter de Mourinho – negativo! A verdade é que aquele que mais contribuiu para o seu clube português foi Michel Preud’homme, o guarda-redes que vi jogar em Portugal que mais se aproximou do Vítor Baía dos seus tempos áureos. Sem o belga, o SLB teria antecipado e repetido várias vezes o brilharete do sexto lugar de 2000/2001 que, curiosamente, foi alcançado na primeira época pós-Preud’homme…

Nota importante: parece que o Casillas também não acha que os seus pais sejam propriamente da Primeira Liga dos progenitores, até porque está afastado deles desde… 2010! Mais informação no JN, o único jornal que se lembrou de verificar que pais são estes que dizem publicamente o que a mãe disse a propósito de uma escolha profissional e desportiva de um filho, diria eu, pródigo.

UPDATE 1 – ou alguém lhe disse para ter juízo ou a mãe do Casillas percebeu a enormidade do que disse, porque decidiu “pedir desculpa” ao FCP. Mas parece que isto não merece o mesmo destaque para quem alegremente publicou os insultos iniciais.

UPDATE 2 – um imbecil da estrutura do SLB  (um alegado assessor jurídico chamado Paulo Gonçalves), pouco informado sobre a evolução da situação, decidiu ser engraçado e publicou na sua conta do FB a mensagem: “Admiro o Casillas pela sua carreira. Mas a mãe encheu-me as medidas pela sua lucidez…”. É estúpido porque não percebeu que a senhora não insultou só o FCP, mas sobretudo o futebol português. É cretino e precipitado porque entretanto a senhora reconsiderou.