O fabuloso Fabianski e os heróis de azul-e-branco

Estar a atribuir exclusivamente ao guarda-redes polaco o mérito da nossa vitória é injusto para com os nossos jogadores, que foram autênticos heróis na batalha de ontem. Fabianski deu uma ajuda, sim senhor, mas o FC Porto mostrou a garra dos campeões e o estofo dos grandes.
Deixemo-nos de ilusões: este Arsenal joga muito à bola. A forma como trocam a bola, jogam sempre em progressão, colocam muito povo na grande-área, aparecem de frente para os centrais chega a ser sufocante. Mas do outro lado também esteve uma equipa que teve todas as suas peças sempre em alta rotação, que se entregou às balas, que nunca cedeu.
Helton salvou-nos. Fucile foi o herói de sempre. Rolando e Bruno Alves apagaram todos os fogos, Álvaro Pereira deu comprimento eo flanco. Fernando voltou a ser grande na segunda parte. Meireles revelou falta de ritmo. Micael desenhou o nosso jogo. Varela foi letal. Falcao fez tudo bem. Hulk esteve demasiado ansioso e foi, claramente, o elo mais fraco.
Do lado do Arsenal, impressionante a qualidade de Diaby e o espírito de liderança de Fabregas. O dinamarquês Bendtner foi dos melhores na melhor fase do Arsenal. Fabianski fez um jogo que não esquecerá tão cedo, e, espero, que marcará a sua carreira se formos capazes de eliminar o Arsenal nos Emirates. Quem acredita põe a mão no ar!
Anúncios