“Querido, mudei a casa”

Está feito. O último post da 3. ª iteração do Pobo do Norte foi publicado esta noite. Chama-se “Mudar” E diz assim:

“Este blog tem vivido do entusiasmo: o nosso, o vosso, mas sobretudo do entusiasmo e da paixão partilhados pelo clube. Porém, como em todas as relações na vida, é necessário reciprocidade. E quem manda no nosso clube, quem toma as decisões dentro e fora do campo, fez pouco ou nada para manter essa chama viva. Ou fez o inverso do que as circunstâncias exigiam. E exigem.

Ao longo dos últimos tempos e, especialmente, ao longo das últimas 3 épocas, o ritmo das publicações foi diminuindo, em claro paralelo com a falta de chama, qualidade, entrega e, fatalmente, resultados desportivos do nosso Porto. Tal como as assistências no estádio, porque muito mais do que as vitórias, o que guia um adepto, o que o motiva a sair do sofá para ir apanhar frio ao estádio numa qualquer noite de outono ou inverno, é a certeza de lutar por algo, de não quebrar.

Connosco tem-se passado o mesmo – não foram todos os compromissos pessoais ou o desgaste do tempo que nos fizeram deixar de escrever com a mesma assiduidade. Foi o desgaste de dizer as mesmas coisas sobre os mesmos erros, sobre as mesmas negociatas, sobre os mesmos protagonistas, sobre aquilo que inevitavelmente só poderia ter o mesmo resultado – o empobrecimento desportivo, financeiro e institucional do clube.

Ao mesmo tempo, mais a sul, levado ou não pela mão invisível da arbitragem, o nosso maior rival transformou-se naquilo que fomos durante 2 décadas: um clube que ganha consistentemente, que valoriza jogadores, que mobiliza os seus adeptos, que se consolida porque soube mudar (tenha ou não sido obrigado a isso por condições externas), porque passou a ter equipas guerreiras, jogadores da casa e outros que da casa se tornaram.

No FCP aconteceu tudo ao contrário. A clique que tem o poder aburguesou-se ainda mais, as apostas em treinadores e jogadores foram sendo falhadas, o clube tornou-se um entreposto de futebolistas onde os atletas formados nas camadas jovens poucas ou nenhumas oportunidades tiveram de mostrar o seu valor. Sobrou muito pouco do que fomos e aqueles que têm qualidade para jogar com esta camisola nunca ficaram por cá mais do que um ano ou dois.

O resultado são três anos de profunda depressão. Um recuo considerável no estatuto do clube. A perda de uma grandeza que custou décadas a conquistar. O que me leva a crer que as pessoas que nos trouxeram até aqui, que conduziram o clube ao reiterado sucesso, são as mesmas que o arrastaram para este estado lastimoso, e que muito dificilmente serão capazes de inverter o rumo. Necessitamos de mudanças no clube, de mais realismo, de mais honestidade, de mais transparência. E de deixarmos de acreditar que todos os sucessos são atribuíveis ao Presidente mas que tudo o que é mau lhe é alheio. PdC é tão virtuoso quanto culpado. E, presentemente, o seu maior defeito é não saber que existe um momento para dar lugar a outros, que ninguém é eterno e que as mesmas fórmulas não produzirão forçosamente bons resultados num tempo diferente, num contexto mais complexo.

Pela nossa parte, pretendemos mudar também. Vamos mudar-nos para o WordPress, retomar a publicação regular de noticias, comentários, análises ou simples graçolas sobre a vida clubista e sobre o nosso Porto. Este é o último texto que será escrito nesta terceira iteração do Pobo do Norte. infelizmente, a segunda já não está acessível. Mas tudo o que foi publicado aqui poderá futuramente ser consultado em pobodonorte.wordpress.com e, assim que concluirmos a transição, em pobodonorte.com.

Renovamos a paixão porque acreditamos que o clube é muito mais do que algumas pessoas que passam por ele, sejam elas jogadores ou dirigentes. Renovamos o Pobo do Norte porque um adepto só mostra efetivamente que é um adepto quando apesar de todas as desilusões, de todas as vezes que a bola não entra, que o golo nos escapa, que o tempo de recuperar se esgota, que o fantasma das derrotas surge, é capaz de estar lá, de gritar, de puxar pela equipa e de, contra todas as probabilidades, acreditar. O Pobo do Norte é o nosso pequeno contributo para essa fé.”

Anúncios

7 thoughts on ““Querido, mudei a casa”

    • Voltamos para dar um pequeno contributo para o renascimento do nosso clube. Mas isto só faz sentido com os nossos parceiros mais antigos, mais interventivos. Obrigado.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s