O Gestor e a Gestão

VP disse no final do jogo que ditou a saída do Porto da Taça de Portugal deste ano que “assumia por completo a gestão” que fez da equipa. Esta coisa do “sou burro, mas assumo”, à moda do “asneirei forte e feio mas como o confirmo mereço compreensão”, é fraca desculpa. Fica por saber se ter a melhor equipa do Porto em boas condições para lutar pelo primeiro lugar do seu grupo na Champions vale o risco de sair precocemente da Taça. A resposta só será positiva para VP se o Porto resistir ao PSG e se, nesse caso, nos sair efectivamente um segundo classificado “menos forte”.

Quanto ao jogo, foi parecido com o precedente, excepto no facto do campo ter ficado inclinado para a nossa baliza depois dos 60 minutos. A choradeira jornalística do alegado penalty do Alex Sandro parece ter resultado e o Olegário limitou-se a fazer aquilo que sabe: distribuir amarelos como se estivesse a acontecer uma batalha campal e expulsar um dos nossos de uma forma tão forçada quanto decisiva para o desfecho final.

Igualmente decisivo é o facto do VP acreditar que podemos ganhar jogos “a sério”, contra equipas de valor encostadas à parede, com um avançado tão incompetente como o Kléber. E se este falhou por omissão, Danilo falhou por acção – aquele auto-golo é pura e simplesmente um produto do excesso de confiança e da displicência.

No resto, terá ficado um penalty por marcar a favor do Braga (faltando também saber se um puxão nos calções faz um jogador cair daquela maneira…) e um fora-de-jogo de que ninguém falou no lance do segundo golo do Braga – sim, porque nas imagens que focam o lance do ponto de vista do jogador que faz o centro Éder está claramente à frente do seu defensor directo quando a bola parte, restando somente a dúvida se outro jogador do Porto poderá estar a colocá-lo em jogo. Mas como muito bem disse o Lucho, “isto são coisas do futebol” e quem ganha é “quem marca mais golos”. No domingo fomos nós, hoje foram eles.

Anúncios

2 thoughts on “O Gestor e a Gestão

  1. Derrota que atira o FC Porto para fora da Taça de Portugal, determinada por dois momentos de infortúnio, um dos quais com o dedo do artista do apito (expulsão excessivamente rigorosa de Castro) e o outro num acto de displicência imperdoável de Danilo, a marcar na própria baliza, num lance puramente inofensivo.

    A aposta de Vítor Pereira foi ousada mas só terá sido traída por esses dois momentos e pela tardia na compensação do meio-campo após a expulsão. A reacção deveria ter sido imediata.

    O comportamento de equipa foi positivo, com Miguel Lopes e Kléber a manifestarem, mais uma vez, incapacidade para fazerem parte deste plantel. Menor acerto também para Atsu, de quem se espera muito mais.

    Um abraço

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s