Entrevista de Pinto da Costa à RTP1

Acabei de ver a entrevista a Jorge Nuno Pinto da Costa na RTP1 e achei tão deprimente o trabalho de Fátima Campos Ferreira que me apeteceu por várias vezes mudar de canal. A senhora tem muito boa vontade, mas não percebe um corno de bola, ou, como diria Gabriel Alves, do “fenómeno futebolístico”. Um guião formado por um conjunto de perguntas desligadas entre si, algumas sem qualquer interesse jornalístico, entoações estranhas, exclamações a despropósito, muitas interrupções ao entrevistado, algumas gaffes (disse que o FCP tem 68 títulos, quando tem 69; apontou para a Taça de Portugal e disse que tínhamos ganho a “Taça da Liga”; chamou “Estádio das Antas” ao “Estádio do Dragão), de tudo um pouco houve nesta entrevista. Mais valia terem posto lá o Jorge Jesus a entrevistar.
Do nosso grande presidente não se ouviu grandes novidades, muito por culpa da condução da entrevista, mas também porque nesta altura já tudo foi dito sobre esta época maravilhosa. Ainda assim, ficou a certeza de que as cláusulas de rescisão de Falcao e Hulk (e de qualquer outro jogador…) serão para respeitar religiosamente. Fátima Campos Ferreira questionou-o sobre Fernando, porque “No Brasil, diz-se que já não volta“, ao que Pinto da Costa respondeu, por entre sorrisos “Eu se fosse ao Brasil também não voltava …

7 thoughts on “Entrevista de Pinto da Costa à RTP1

  1. Não concordo com essa análise, achei muito interessante a entrevista e que gozo me deu ver o Pinto da Costa com aquelas taças todas e com uma vista para o Dragão maravilhosa, nunca tivemos esta atenção(fora-de-campo) tão dignificante.
    A Fátima realmente é uma tolinha, mas uma tolinha que se aceita, teve algumas gaffes mas não intencionais, achei que PC devia ter-lhe corrigido essa da “Taça da Liga”, mas o nosso presidente foi fantástico, as respostas foram todas fenomenais, mesmo às perguntas mais irritantes, mas tinha de ser, não estavamos à espera de perguntas encomendadas, a Fátima fez o seu trabalho e até se riu quando o PC gozou com o estádio da luz sem luz, foi sublime.
    E o final foi do melhor que já vi em PC, a resposta à pergunta se LFV ainda era sócio “não, foi eliminado por falta de pagamento…” eheh demais, era giro saber até quando o LFV andou a contribuir com os seus euros para o FCP.
    Achei a entrevista refrescante, podia ter sido melhor, mas o nosso Pintinho foi extraordinário.
    Há uma altura da entrevista em que se vê PC sentado com as taças por detrás, naquele plano onde o vemos do seu lado direito com o Dragão no fundo, e pensei que era assim que PC deveria ser lembrado numa estátua, já tinha imaginado como seria a estátua erguida em sua honra (esperemos, daquia 50 anos pelo menos) e sempre pensei que fosse de pé, a apontar para o sul como horizonte de conquistas, mas pensando bem fica bem melhor sentado num trono, onde a seus pés estão os emblemas dos clubes que derrotou para alcançar aquelas gloriosas taças, também pensei que assim como o trono de Inglaterra(que tem a pedra da realeza da Escócia debaixo dele) o trono de Pinto da Costa deveria ter, por baixo, uma galinha depenada, ou uma bandeira do Benfica a arder(olha agora lembrei-me daquela fotografia e que bem ficava uma estátua do PC com um isqueiro na mão a arder uma bandeira do Benfica)
    Bem, já que estamos em brincadeira, e que tal uma estátua do PC a rematar uma bola à Eusébio 😀 essa seria demais.
    E pensei também, que daquia 100 anos teremos de arranjar uma para o Villas-Boas, na sua cadeira de sonho, mas essa tem de ser bem alta, enorme, quase a tocar no céu, para que quando venham vê-la digam “mas porque é que a puseram lá em cima tão alta que nem a conseguimos ver?” “Porque a cadeira de sonho do Villas-Boas pertence às estrelas, assim quando o quisermos ver e admirar temos de olhar bem lá para cima, onde estava escrito à muito tempo que o seu destino, o nosso destino, era vencer”
    ou então, tipo dragonball, o Villas-Boas montado num dragão com o cabelo ao vento, como se fosse a uma velocidade vertiginosa, e um sorriso largo de orelha a orelha.

    Gostar

  2. Achei também muito bons os 4 pilares de PC para o FCP, qualquer dia teremos, em contraste com o lema do Sporting “Esforço, Dedicação, Devoção e Glória”, o lema “Competência, Rigor, Ambição, e Paixão”, mas acho que se tem de fazer uma mudança quanto à última, primeiro está associado a arbitragem, depois se lerem só as iniciais fica CRAP, e apesar que no teatro a expressão “muita merda” queira dizer boa sorte, nós deixamos para os outros os actos e as cenas de dramatismo, por isso pensei e se for CRAFT fica bem melhor, CRAFT quer dizer, engenho, dom, ofício, arte, aquilo a que nós somos bons, abilidade, e isso engloba todos os outros menos a paixão, mas Fervor também é um sinónimo de paixão, por isso pode ser Competência, Rigor, Ambição, Fervor e Transcendência(o acto de se ultrapassar a si próprio) sim porque não basta ter paixão, é preciso ser-se melhor e quebrar as barreiras que nos impõem, ou então a paixão engloba o fervor e a transcendência, encontrei aliás algumas definições interessantes da palavra que espelham exactamente o que quero dizer com essa qualidade:

    3. aquilo que está acima da inteligência humana

    4. excelência; superioridade; sagacidade

    5. sistema filosófico baseado na revelação divina;

    “moral da transcendência” a que coloca a moralidade, não no bem ou no dever, mas no facto de a pessoa se transcender, se ultrapassar

    assim CRAFT(arte) fica melhor do que CRAP, além de que uma palavra com 5 letras honra também o nosso Penta que fomos os primeiros e únicos a consegui-lo, o lema do Sporting tem 4 que honra o seu Tetra.
    Reparem, Paixão é capaz de ser realmente mais natural, e faz-nos sentir bem, mas eu associo paixão a outro clube, e se passarmos a ligar-nos à paixão e esquecermos os outros valores, logo logo acomodamo-nos como o SL Benfica, e eu não queria que isso acontecesse no Porto, somos grandes, somos os maiores, e por isso ponhamos a paixão de lado e sintamos o nosso fervor do sangue que nos corre nas veias e que isso nos ajude a transcender para objectivos maiores ainda, agora não podemos acomodarmo-nos.
    Competência, Rigor, Ambição, Fervor, Transcendência.
    Assim que ponhamos a paixão nessa frase tornamo-nos sentimentais e lamechas, temos de ser racionais e realistas, por muito amor que tenhamos ao nosso clube, porque só assim é que continuamos na senda de vitórias, e depois que os nossos netos descansem com toda a glória do nosso clube e que morram de paixão e que cantem o fado, até ao lavar dos cestos é vindima, não há tempo para amores e paixões, toca a trabalhar.

    Gostar

  3. Aliás, pensando bem, o PC disse o que disse para os outros ouvirem, para que não saibam o verdadeiro segredo, já estou a ver o Jesus e o Vieira lá na tasca a verem o canal 1 para perceberem e tentarem ficar com a receita da poção mágica de PC,
    diz o Vieira:
    “Jesus! larga lá os percebes e vê lá se apanhas o que este homem diz”
    “Luís, calma pá, está-te tranquilo, pró ano sômess campeois”
    “campeões o caralho que o ano passado dissestes a mesmas coisas e foi o que se viu, meu campeão da taça do ca*%&#@, ok, ele vai falar agora”
    diz na televisão PC “Primeiro Competência…”
    exclama Vieira “Competência, escreve isso”
    “ó Luís, olha lá, o facto de eu ser catedrático conta alguma coisa para a competência?”
    “o teu diploma vem com alguma apetência ou sem apetência? senão vem, logo precisas de abrir o apetite, vá come lá mais uns tremoços e bebe mais umas sagres que isso passa, próximo”
    diz a tv “Rigor…”
    “Rigor, escreve isso aí…”
    Jesus tenta a todo custo esgatafunhar um guardanapo de papel com um palito que foi mergulhado no café, depois pára, pensa, e diz
    “Luís”
    “anh” responde Vieira
    “Ó Luís”
    “diz, que é?”
    “Rigor é com r no fim ou com é?” “humm… Ri-Go-Re” (“soletra” LFV) “é claro que é com é, mas tu tiras-te a tua catedrática na 4 classe ou quê? só me faltava esta, olha a próxima”
    “Ambição…”
    “hummm…”, “hummm…”
    murmuram um para o outro, “hummm…”, “hummm… epá, Jesus, agora tens de perguntar a outro que essa eu não sei, só conheço Com-bição e Sem-bição, agora Am-bição!?, puff, sei lá, não me perguntes aonde é que este velho vai buscar estas coisas” “Olha, vou parguntar ali atrás ao realizador que ele é bem cazpardes de saberes destas coizas,
    ó Tóni!”
    “qui é ó merdazj?,
    não vez que tou a afagar as mágoaj que tu me dásj em campo com esta xerbechinha jagrez”
    “Olha sabeis o que é serdes ambição?”
    “ambijxão? ambijxão?!
    ambijxão é o que a tua mãe não teve quando desjisjtiu de te abortar ó xabisjão, olha agora exte, ambijxão, xa viram? ambixão, ando eu a dijer que é o maior, que é melhor que o morinho e este a vir-me falar de ambisjão, volta pó Belenenxex que nunca lá deviaje de ter chaído!” LFV interrompe
    “vá vamos mas é a ter atenção pode ser que a próxima seja mais fácil” “Paixão” diz a tv,
    “Vivaaa BENFICAAA…”
    “epá que é isto!?” Eusébio começa a cantar assim que ouve a palavra paixão “epá não é nada disso Deusébio, o homem está claro a referir-se ao Bruno Paixão, mas eu já estou a fazer as coisas por outro lado, com isso não nos precisamos de preocupar, ok, Jesus, escreveste tudo?”
    “ah… ah… epá… Luís… eu ahscraver ahscravi, mas olha só que diabo, eu nã pracebo nada das minha letras, também acraditas nisso não acraditas?”

    Gostar

  4. Ribeiro essa do papel amarelo foi exelente e acho que nunca se escreveu tão bem neste blog como este ano, e como estava a guardar-me para dar a minha opinião(à espera que o Villas-Boas fizesse o quadretto sem agoirar o que pudesse acontecer) aqui fica a minha impressão sobre o que tem acontecido:

    Primeiro,
    o Manchester foi campeão na Inglaterra, 19 vezes! alguém se lembra de ter ganho 19 vezes o campeonato? eu lembro-me e foi no ano 2003, no ano seguinte apanhámos o Manchester nos oitavos da champions, tinhamos 19 títulos de campeão nacional, nessa altura ia-se comprar títulos como quem compra leite no supermercado(Tesco) dizia-se, e eu pergunto-me se algum dia, algum repórter mais distraído, questionará Alex Ferguson sobre o local aonde ele costuma comprar os seus?
    ou afinal o “Sir” também vai ao “Tesco”?

    Segundo, afinal quem é melhor, Villas-Boas ou Jimmy Hagan?

    Escrutinemos a questão,

    Villas Boas consegue o campeonato invencível logo no ano de estreia, não acontece assim com Jimmy Hagan, só o conseguiu à terceira tentativa.

    Não se pode dizer que o Benfica, com Jimmy Hagan, tenha ganho os dois jogos ao rival, o Porto salva a honra no seu estádio(2-2) em 73, Villas-Boas ganha os dois jogos, como se jogasse em casa duas vezes.

    No conjunto dos dois jogos entre os rivais, o Jimmy Hagan dá 5-4 ao Porto,
    o Villas-Boas contenta-se com…
    7-1, sim, 7 a 1 mesmo, e o 1 foi porque um jogador do Benfica meteu o dedo no cú de um defesa portista e o árbitro marcou penálti.

    Boas ganha a Taça de Portugal, goleando na final um clube que queria ficar com o seu lugar nas competições europeias,
    no entanto para chegar lá, humilha o Benfica nas meias…
    na sua própria casa…
    mais uma vez…

    Hagan é eliminado nos 8-avos da Taça de Portugal.

    Na Europa, o Benfica de Jimmy Hagan, encontra o Derby County, campeão Inglês pela primeira vez na sua história, devido ao grande Brian Clough(o Mourinho lá do sítio), nos 8avos de final da Champions, leva 3 em Inglaterra, e em casa empata, nessa altura as equipas para irem aos 8avos da Champions apenas tinham de passar uma eliminatória a duas mãos, sendo assim o Benfica faz apenas 4 jogos na Europa, 2 derrotas, 1 empate, e uma vitória, frente ao Malmo… em casa.

    Boas, por seu lado, só na fase de grupos faz mais jogos que o Benfica Europeu de Hagan, e faz 17 jogos no total(a contar com o Play-Off e a Final), coincidência do destino(como o Jimmy Hagan) empata 1, e perde 2, mas ganha… 14(mais do que uma dúzia do que Jimmy Hagan)
    ah… Villas-Boas ganha o troféu Europeu.
    Assim como o Liverpool e o Ajax, no ano de Hagan, que ganham o campeonato e a Europa respectivamente.
    Ao contrário do Porto, Liverpool, e Ajax, o Benfica de Jimmy Hagan não sabe o que é ganhar cá dentro e lá fora.

    Gostar

  5. Mas sim, realmente o campeonato é sempre o mais importante, e o Jimmy Hagan ganha o campeonato com mais uma vitória, pelo menos meia, porque nós empatámos, parece então ser um melhor campeão invicto, parece, os tempos eram outros, e nessa altura colossos como o Fabril Barreiro, Barreirense, Montijo, Atlético e União de Tomar, enchiam as fileiras heróicas das equipas a sul do Mondego, nesses tempos o campeonato era mais inclinado a sul, curiosamente são as equipas que mais luta dão ao Benfica, perdendo por menos golos, à exepção do Porto claro.

    Assim sendo, no campeonato do Hagan, há:
    1ª equipa do Minho
    3 do Porto
    1ª de Aveiro
    2ªs do centro
    4 de Lisboa
    3 da margem-sul de Lisboa
    1ª de Setúbal
    e 1ª do Algarve.

    No de Villas-Boas, há:
    2ªs equipas do Minho
    2ªs do distrito do Porto
    1ª do Porto
    1ª de Aveiro
    3 do centro
    2ªs de Lisboa
    1ª de Setúbal
    2ªs do Algarve
    e 2ªs da Madeira.

    Em qual dos dois acham que há mais homogeneidade.
    Em qual dos dois há mais Portugal.
    O Benfica de Hagan passa quase 3/4 do campeonato a meia-hora do seu estádio.
    O Villas-Boas tem de ir à Madeira duas vezes.

    Mas no fundo no fundo, são ambos grandes campeões, fizeram ambos grandes campeonatos, ok o Hagan teve mais meia-vitória do que nós, mas ambos foram invictos, aliás, acho que essa de quem ganhou mais ou menos vale o que vale um vintém. Para mim, como no Boxe e na vida, o que interessa é quem fica de pé depois de levar mais na tromba, quem aguenta mais reveses no seu caminho, nesse sentido, o Porto de Villas-Boas, com muitos mais kilómetros nas pernas, e menos tempo de descanso, com mais viagens, ainda mais longíquas, a estádios de maior pressão, jogando em piscinas, na neve, em sintéticos, e em temperaturas negativas, é campeão invicto, mas de longe, o Porto de Villas-Boas, deixa quase por knock-out, o tão brilhante campeonato de Jimmy Hagan, é que o Villas-Boas não iguala Jimmy Hagan(como bem diz a Bola) supera-o, Villas não caiu na Taça de Portugal, Villas não caiu na Europa, não caiu no segundo, nem no terceiro round, e não caiu na casa do seu maior e eterno rival,
    quanto muito riu-se, e festejou até não poder mais,
    e consta, nos manuais da época,
    que ainda continua de pé.

    Villas-Boas fez algo que Jimmy Hagan nunca conseguiu fazer na vida, ganhou a tripla invicta, o Campeonato invicto, a Taça de Portugal e a Taça Europeia, numa só época, como diria Camões no seu último canto,

    “Sem à dita de Aquiles ter enveja,
    Toma lá, e embrulha, que é fresquinha!”

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s